Ecumenismos e Pentecostalismos

Autor: Gedeon Freire de Alencar

R$49,90

83 em estoque

Detalhes do Livro

Peso 300 g
Dimensões 2 x 16 x 23 cm
Ano da Edição

2018

Autor

Gedeon Freire de Alencar

Idioma

Português

Número de paginas

224

Sobre o Autor

Gedeon Freire de Alencar

Gedeon Freire de Alencar

Doutor em ciências da religião pela PUC-SP, membro da Rede Latino-americana de Estudos do Pentecostalismo - RELEP, do Grupo de Estudos do Protestantismo e Pentecostalismo – GEPP-PUC-SP e da Comissão de Estudos da História da Igreja na América Latina e Caribe – CEHILA.

Gedeon Freire de Alencar é uma das principais referências no campo de estudos sobre o movimento pentecostal brasileiro. Filho de pastor assembleiano, ex-aluno da primeira instituição pentecostal de ensino teológico no país, professor de seminários evangélicos, tem se dedicado nos últimos vinte anos a perscrutar sociologicamente os meandros pentecostais do protestantismo tupiniquim. Autor de três livros e de diversos artigos de ampla circulação no campo dos estudos de religião, agora aventura-se na análise das explosivas relações entre pentecostais e ecumênicos. Irônico a começar pelo próprio subtítulo da presente obra – “A Relação entre o pescoço e a guilhotina?” – sem especificar claramente quem é o quê; o leitor que os identifique. Diferentemente ao que vem ocorrendo em décadas mais recentes em outras partes do mundo, no Brasil ecumenismo e pentecostalismo têm desde sempre mantido uma relação que por vezes tem descambado para a intolerância beligerante. Apesar de terem nascido quase que ao mesmo tempo e nos mesmos meios do evangelismo protestante do movimento de santidade, incomodados com o aburguesamento das igrejas protestantes e animados pelo avanço das chamadas missões estrangeiras no século XIX, o movimento ecumênico, na busca pela unidade na missão, e o movimento pentecostal, na busca do empoderamento espiritual para a missão, no século vinte aqueles três movimentos acabaram por se achar em amplo e aberto conflito. A situação ainda fica mais conflitante devido a repulsa do catolicismo romano por tudo que cheirasse a protestantismo. Navegando entre Londres, Edimburgo, Panamá, Roma, Belém do Pará, São Paulo e Genebra, com a ironia e, por vezes, o sarcasmo, que lhe são peculiares, Alencar analisa tais relações quase que cirurgicamente. Por um lado o antipentecostalismo por parte de ecumênicos, e, por outro, o antiecumenismo por parte de pentecostais, são devidamente retratados e documentados ao longo desta obra – mas, é preciso reconhecer-se que amistosas relações institucionais entre pentecostais e ecumênicos têm sido promovidas pelo Conselho Mundial de Igrejas, pelo Vaticano e pela Conferência Mundial Pentecostal. Surpreendentemente, Alencar vai encontrar alguns pontos fora da curva dos conflitos entre o pescoço e a guilhotina: Missionário Manoel de Mello e a Igreja Pentecostal O Brasil para Cristo; o ENCRISTUS; a RELEP. Nem tudo esteve sempre ou ainda está perdido nas relações ecumênicas e pentecostais. Há sinais de esperança e, talvez, o mais surpreendente de todos se chama Papa Francisco – pneumatologicamente, o amigo de todos e inimigo de ninguém. Mas, apesar de tais pontos que fogem da curva, o cientista social, que se recusa a pensar como teólogo, termina um tanto pessimistamente o seu presente trabalho, muito mais com perguntas em aberto do que com respostas à sua pergunta inicial, perguntas que convocam seus leitores a pensarem e deixarem pensar até onde o Espirito Santo poderá levar pentecostais e ecumênicos a encarnarem hoje o mesmo espírito que animou a Jesus em seu diálogo acolhedor com a mulher samaritana. Por tudo isto nós, pesquisadores do movimento pentecostal, só temos a agradecer a Gedeon Alencar por mais esta contribuição aos nossos estudos.

Paulo Ayres Mattos
Bispo emérito e Doutor
em Teologia

 

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Ecumenismos e Pentecostalismos”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *